Sussurros Fervorosos

“…escutava ele sussurrando ao ouvido elogios fervorosos à minha boceta, dizendo que me chuparia de quatro. Peguei o telefone e abri na foto dele. Para quê? Ah, Hay, imaginei ele mexendo os lábios e dizendo que eu era uma puta, a vadia dele. Uns palavroeszinhos durante a transa não fazem mal a ninguém, saca? Meu … Mais Sussurros Fervorosos

Mulher-cadela

Jorge, imóvel, olhava meus mamilos, e seus movimentos em câmera lenta me sufocam de tal forma que não poderia mais sobreviver aquele estado de latência, se caso ele não me possuísse naquele momento. Era isso Hay, queria ser possuída por ele, sem ternuras, nem afagos, dentro desse jogo de avidez e de sombras, em que … Mais Mulher-cadela

O uivo da ostra

“Passou a me beijar o colo, a abocanhar a renda da roupa íntima, a brincar com o pingente dourado que adornava o tecido entre os seios, puxava em pequenas mordeduras, depois passava a língua.  Previa que o sutiã não iria aguentar as investidas dos dentes e músculos de Jorge. Posso falar a verdade Hay?, eu mesma … Mais O uivo da ostra

Vermelho Infinito – Ato 1(em delírios e espasmos)

Amores de my life, estou que não me aguento de felicidade. Já faz alguns dias, meu querido amigo, o designer Elano Collaço, havia me enviado a capa do que estamos chamando Vermelho Infinito Ato 1 (em delírios e espasmos). Porém, não a divulguei, pois ainda faltavam detalhes importantes.  Vermelho Infinito não é apenas um texto … Mais Vermelho Infinito – Ato 1(em delírios e espasmos)

Vermelho Infinito – Ato 1(Em delírios e espasmos) é o primeiro volume do texto erótico pornográfico da escritora Carla Cunha. A história conta as aventuras sexuais de uma mulher chamada Shirley Sancher com o misterioso Jorge. Shirley, entregue aos prazeres do corpo, não se preocupa com nada diferente dos seus orgasmos. A prosa excitante é marcada pelos delíros de uma mulher que … Mais

Pele em fúria

“O corpo se entregou ao desespero e, depois do nono orgasmo, cheguei à exaustão. A pele em fúria não suportava mais qualquer toque; o ar, ainda insuficiente, entrava em golfadas pela boca e nariz, o coração disparava em colapso e a mente caia num vazio infinito. Ondas de uma atmosfera vaporosa me subiam pelas pernas … Mais Pele em fúria

Depois do Orgasmo

“Nunca se é a mesma depois de um orgasmo, sempre há uma enigmática alquimia gerada nas entranhas do nosso ser para de pouco em pouco, ou melhor, de gozada em gozada, consolidar quem somos. Neruda subiu no meu colo enquanto eu tomava café e fumava um cigarro. Parece saber que o comparo com a essência … Mais Depois do Orgasmo

Rosa negro

Eu pensava em Susy todos os dias. Parava diante da janela da sala, fumava um cigarro tomando um café. A rua lotada, pais buscando crianças na escola, funcionários apressados para pegar o transporte de volta para casa, mas nenhum movimento da cidade me chamava a atenção, senão imaginar Susy sentada a minha frente descruzando as … Mais Rosa negro